gototopgototop

Traduzir - Translate

Faixa publicitária

Pensamento do Dia

A paz é a forma de nos sentirmos verdadeiramente humanos. (Einstein)

Pesquisar no site

Newsletter

Descriminação

Qual destes grupos acha o mais discriminado socialmente?
 

Opus Gay no Mundo

Todos os artigos publicados pela Opus Gay podem sempre ser integralmente lidos nas seguintes 58 línguas:
(all the articles published by Opus Gay can be read in any of the following 58 languages)
 
Afrikaans
Albanês
Alemão
Árabe
Arménio
Azerbeijano
Basco
Bielorusso
Búlgaro
Catalão
Checo
Chinês Simplificado
Chinês Tradicional
Coreano
Croata
Dinamarquês
Eslovaco
Esloveno
Espanhol
Estónio
Filipino
Finlandês
Francês
Galego
Galês
Georgiano
Grego
Haitiano
Hebraico
Hindu
Holandês
Húngaro
Iídiche
Indonésio
Inglês
Irlandês
Islandês
Italiano
Japonês
Letão
Lituano
Macedónio
Malaio
Maltês
Norueguês
Persa
Polaco
Português
Romeno
Russo
Sérvio
Suaíli
Sueco
Tailandês
Turco
Ucraniano
Urdu
Vietnamita
 
* use o botão
"Traduzir - Translate"
 no topo desta coluna *

Contador de visitas

mod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_counter
mod_vvisit_counterHoje352
mod_vvisit_counterOntem855
mod_vvisit_counterEsta semana9552
mod_vvisit_counterÚltima semª.6811
mod_vvisit_counterEste mês24740
mod_vvisit_counterMês passado20616
mod_vvisit_counterTotal2510256

We have: 8 guests online
Seu IP: 54.211.108.8
 , 
Hoje: 25 Mar 2017

Escandalosoooooo - até parece as atitudes religiosas cristãs

Share

Fonte: Su Tavares - Jornalismo Livre

Tailândia tenta reeducar transexuais em mosteiros

CHIANG KHONG, Tailândia — "Eles têm regras aqui; dizem que um noviço não pode usar cosméticos, correr para todos os lados ou mostrar-se afeminado". Mas Pipop está convencido de que é mulher e de que a "reeducação" à qual está sendo submetido, no mosteiro tailandês onde está internado, será um fracasso.

Aos 15 anos, escondido em sua cela, aplica delicadamente de arroz no nariz e na face. "Não quero que meu rosto apareça gorduroso ou sujo, nem ficar com a pele fosca".

Seu gesto, no entanto, revela insubmissão. Pipop Thanajindawong, dois anos, foi enviado a Bangcoc pela família para este templo, o Wat Kreung Tai Wittaya, perto da fronteira com o Laos.

Objetivo anunciado: "tornar-se homem".

Uma missão incompatível com um país onde a tolerância é grande em relação a todas as práticas sexuais, onde os homossexuais são aceitos e os transexuais são considerados um "terceiro sexo" à parte.

A Tailândia é, de fato, um dos países do mundo onde são mais numerosos. Mas sem dúvida, a família de Pipop não tem essa abertura de espírito.

O filho foi enviado para viver como um monge. Despertar ao alvorecer, coleta de esmola e estudos do budismo não o diferenciam dos outros noviços, nesta etapa pela qual todos os tailandeses passam, numa fase a outra de sua existência.

Mas ele acompanha também, às sextas-feira, um curso numa escola perto do templo, onde o provisor Phra Pitsanu destaca as evidências. "Você não pode ser outra coisa senão parte de seu gênero verdadeiro, que é ser homem. Enquanto noviço, não pode ser senão um homem".

Perfume e cosméticos são proibidos, assim como o canto, a música. E até correr. Mas as infrações não são raras.

"Às vezes, damos a Pipop dinheiro para ele comprar merenda, mas ele o economiza, para se oferecer essa espécie de máscara", lamenta o provisor.

"Não podemos mudar todos eles mas, sim, controlar seu comportamento, para fazê-los compreender que nasceram homens (...) e não podem agir como se fossem mulheres", comenta, apesar de confessar que três de seis desses estudantes diplomados decidiram, apesar de tudo, tornar-se mulheres.

O templo inaugurou o curso para jovens entre 11 e 18 anos, em 2008, como iniciativa do diretor precedente, Phra Maha Vuthichai Vachiramethi. Ele temia que os transexuais - ou "katoeys"- nos noviciados "fragilizassem a estabilidade do budismo tailandês".

Hoje, ele espera que outros mosteiros adotem seus metodos para "solucionar esse desvio de comportamento".

Esse discurso deixa indignado Natee Teerarojanapong, militante dos direitos dos homossexuais e das minorias, para quem tentar modificar a percepção dos adolescentes de sua identidade sexual é "extremamente perigoso".

"Esses rapazes vão acabar por se detestarem, porque terão ouvido os monges lhes dizer que a homosexualidade é nociva. É terrível para eles. Jamais serão felizes".

Phra Atcha Apiwanno, 28 anos, considera, também, que a sociedade tailandesa não é assim tão tolerante quanto parece. A estigmatização é tanta que ele desistiu. "Tornei-me monge para quebrar meus hábitos, controlar minhas expressões (...).

Quanto a Pipop, parece constantemente em luta interior. Precisou interromper seu tratamento hormonal, assim como seus vestidos; a maquilagem consiste, apenas, num pouco de de arroz.

Diz, no entanto, que depois dos estudos vai se submeter a uma cirurgia. E no final do curso vai criar, hurlar. "Serei, enfim, capaz de ser eu mesmo".

Copyright © 2011 AFP. Todos os direitos reservados

Traduções

Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária